1.   
    Home
  2.  > 
    Pílulas Hyundai
  3.  > 
    Motor de carro: saiba quais os tipos e qual o ideal para você!

Descubra 21/11/2020

Saiba quais os tipos de motores de carro e qual o ideal para você

Detalhes do motor do novo Hb20 Turbo GDI FTP

Se você olha para o motor de um carro e acha que ele é um emaranhado de peças, mas gostaria de entender melhor o seu funcionamento, chegou ao lugar certo. Afinal, é importante que todo motorista conheça pelo menos o básico de mecânica. Isso ajuda a fazer melhores escolhas na hora de comprar um automóvel e traz segurança no momento da manutenção. Neste post, você vai conhecer melhor esse item, sem o qual o carro não funciona. Vai saber como ele trabalha, quais são os tipos de motores e os principais cuidados que devem ser tomados para conservá-lo. Continue lendo!

O que é um motor e como ele funciona?Fazendo uma comparação com o corpo humano, podemos dizer que o motor é o coração do carro. Só que, em vez de sangue, ele usa combustível. A queima dessa substância é a forma com a qual o motor transporta energia e faz com que o veículo ande. Dentro do motor encontramos um mecanismo chamado cilindro. É nos cilindros que acontece a combustão dos motores. Eles têm um volume máximo e um volume mínimo. Esse volume indica qual a cilindrada de cada um deles. A soma delas indicam a cilindrada total do motor — quanto maior esse número, mais potente o carro. Em um cilindro, estão posicionados os seguintes componentes: vela: responsável por gerar as faíscas e dar ignição no combustível; bico injetor de combustível: libera o combustível no motor; pistão: com a explosão causada pelo trabalho das duas outras peças, o pistão entra em movimento e provoca a rotação do eixo motor. A energia gerada com essas explosões é usada por todo o carro. Cerca de 30% dela é convertida em energia mecânica, aquela que faz o veículo se movimentar. O restante é usado no sistema de refrigeração ou dissipado em forma de calor — é por isso que a frente do carro esquenta enquanto ele está sendo usado. O sistema de refrigeração tem o objetivo de esfriar o motor, mantendo a temperatura ideal (entre 90°C e 110°C) para que ele funcione sem problemas. O principal componente desse sistema é o radiador, bombeia a água do seu reservatório e faz com que ela passe por algumas partes do motor, absorvendo o seu calor. Essa água quente retorna para o radiador, onde é resfriada e, assim, pode passar novamente pelo motor. Confira, a seguir, o passo a passo do funcionamento de um motor: 1. admissão: a válvula de entrada no cilindro se abre para receber ar e combustível, que pode ser álcool, gasolina ou diesel, a depender do tipo do motor; 2. compressão: a válvula se fecha e o pistão retorna, comprimindo o ar e o combustível; 3. combustão: a vela faz uma faísca, o que causa a explosão da mistura de ar e combustível; 4. escape: a válvula de saída se abre e sai CO2 do sistema.

Quais são os tipos de motores de carro?Agora que você entende como funciona, chegou a hora de saber quais são os tipos de motores. Eles são classificados de duas formas: pela disposição dos cilindros no equipamento e pela potência. Acompanhe.

Tipos de motores de acordo com a disposição dos cilindros

Essa classificação leva em conta a posição dos cilindros do motor. Eles podem estar alinhados ou formar diferentes ângulos. Quer saber mais sobre isso? Continue lendo!

Motor em linha

No modelo em linha, os cilindros estão posicionados lado a lado na posição vertical. Por isso, esse tipo de motor também é conhecido como motor vertical. Ele funciona com apenas um bloco, no qual até 8 cilindros atuam de maneira uniforme. O motor em linha é estreito e comprido e, por conta do seu formato, ocupa menos espaço que os outros tipos. Por isso, ele é bastante utilizado em veículos populares. É comum encontrar esse equipamento nos menores modelos de carros do Brasil. As versões mais vendidas e mais conhecidas geralmente têm quatro, cinco ou seis cilindros. A desvantagem desse tipo de motor é que ele apresenta mais dificuldade para resfriar e, para evitar o aquecimento excessivo, em alguns casos, eles são refrigerados com ar, em vez de água.

Motor em V

O motor em V tem esse nome por causa do seu formato. Nesse equipamento, os cilindros estão dispostos em dois planos diferentes e inclinados. Esses planos formam um ângulo entre si e o formato do motor fica parecido com o da letra V. Esses motores podem ser V6, V8, V10 ou V12. O número indica a quantidade de cilindros. Hoje em dia, o motor V6, ou seja, em formato de V e com seis cilindros, é o mais utilizado no Brasil. Ele aparece em picapes, vans e carros utilitários esportivos. O motor em V é mais usado em carros maiores, pois exige que o veículo tenha uma frente maior.

Motor em W

O motor em W segue a mesma lógica do motor em V. A diferença é que aqui há um plano a mais de cilindros. Por isso, esse tipo de motor tem alta potência. Por ter também um custo maior e mais complexidade do que os outros modelos, ele só é utilizado em carros especiais, ou seja, nos top de linha ou superesportivos. Para ser montado, o modelo em W precisa de, pelo menos 8 cilindros. Apesar disso, a versão com 12 cilindros é a mais comum.

Motor boxer

Assim como no motor em linha, no boxer os cilindros também estão alinhados, porém na horizontal. Por isso, esse tipo também é conhecido como motor horizontal. Ele é mais largo e baixo e, por isso, necessitam de um centro de gravidade mais baixo. Essas características fazem com que o motor boxer seja mais utilizado em carros esportivos e, geralmente, colocado na traseira dos veículos para proporcionar maior estabilidade. A sua vantagem em relação aos outros tipos de motor é a possibilidade de redução da altura do centro gravitacional dos carros.

Tipos de motor de acordo com a potência

Quando falamos em classificação por potência, estamos nos referindo à quantidade de cilindradas. É importante lembrar que cilindrada e cilindro não são a mesma coisa. Os cilindros são os recipientes que recebem ar e combustível, enquanto a cilindrada é a capacidade cúbica do cilindro. Em outras palavras, a quantidade de cilindradas indica quanto ar e combustível cabem dentro do cilindro. A classificação por potência é bastante conhecida. Ela diferencia os carros em 1.0, 1.4, 1.6 etc. Esse número é o diminutivo da quantidade de cilindradas, ou seja, um motor 1.0 tem 1.000 cilindradas, enquanto um motor 1.4 tem 1.400 cilindradas e assim por diante. Agora, saiba mais sobre cada uma dessas categorias!

1.0

O motor 1.0, com 1.000 cilindradas, é o menos potente dos motores fabricados no Brasil. Por outro lado, é mais econômico e mais barato. Ele é usado em carros populares e versões de entrada, ideais para quem roda apenas na cidade. O carros 1.0 são indicados para quem tem a economia como importante fator de escolha na hora da compra e não se incomoda em ter um veículo menos potente.

1.4

O motor 1.4 ainda é considerado um modelo econômico, porém mais potente do que o 1.0. Ele permite, por exemplo, que o ar-condicionado funcione sem prejudicar o desempenho do veículo. Ainda assim, ainda é um tipo de motor indicado principalmente para quem roda na cidade.

1.6

A partir das 1.600 cilindradas, o carro já começa a ter um melhor desempenho nas estradas, permitindo ultrapassagens mais seguras, maior estabilidade e melhor arranque. Por outro lado, o consumo de combustível aumenta. Por isso, o motor 1.6 é indicado para quem roda na cidade e, esporadicamente, faz viagens com o veículo.

1.8

Já o motor 1.8 é indicado para quem costuma fazer viagens de longa e média distâncias. Ele é mais potente e proporciona ainda mais segurança ao motorista nas ultrapassagens. Geralmente, esse tipo de motor é usado em carros esportivos e de médio porte e não é recomendado para quem faz uso do veículo apenas nos perímetros urbanos.

2.0

O motor de 2.000 cilindradas, o 2.0, é o mais potente e garante a melhor performance em ultrapassagens — inclusive em ladeiras —, além de mais estabilidade para o motorista durante as viagens. Assim como o motor 1.8, ele não é indicado para quem trafega apenas na cidade e o consumo de combustível é maior.

Outros tipos de motor

Além de cilindradas e disposição de cilindros, os motores podem ter outras classificações. Veja algumas!

Motor turbo

O motor turbo é aquele que tem um turbocompressor na sua composição. Esse item traz mais potência para o veículo sem aumentar o tamanho do equipamento. Como falamos, os motores funcionam com a admissão de ar e injeção direta de combustível para a combustão. Com o turbo, o ar é comprimido antes de ser admitido e, por isso, a massa de ar que chega à câmara é maior. Com mais ar na combustão, a potência aumenta. Além da potência do motor turbo, ele tem outras vantagens, como a menor emissão de gases poluentes e do efeito estufa, maior economia de combustível e mais estabilidade para quem dirige.

Motor aspirado

O motor aspirado é aquele que aspira o próprio ar para dentro dos cilindros, sem necessidade de apoio, como acontece no motor turbo. Aqui, o ar não é comprimido e, por isso, esse motor é menos potente. Entretanto, o motor aspirado emite um som mais limpo e tem mais velocidade na hora de acionar o sistema de sobrepotência. Outra vantagem é o menor custo de manutenção.

Motor sobrealimentado

A sobrealimentação é o ato de inserir nos cilindros de um motor uma quantidade de ar superior à que pode ser naturalmente aspirada. Para isso, são instalados compressores nos motores, que aumentam a pressão do ar e, assim permitem que a massa no cilindro tenha maior volume, o que aumenta a potência do veículo.

Motor híbrido

Os carros híbridos são uma opção interessante para quem busca sustentabilidade, mas ainda não pode investir em um modelo totalmente elétrico. Ele funciona com duas fontes de força: a combustão e a eletricidade. A vantagem do motor de combustão é o bom desempenho e autonomia, ou seja, ele pode rodar grandes distâncias sem precisar ser reabastecido. Por outro lado, o combustível custa caro e polui o meio ambiente. Já o motor elétrico tem custo bem menor por quilômetro rodado e não lança poluentes no ar, mas tem autonomia baixa e leva tempo para ser recarregado. O carro híbrido combina esses dois motores para garantir o melhor deles — autonomia, desempenho, economia e sustentabilidade. Geralmente, esse veículo recebe os dois motores que funcionam ao mesmo tempo ou de forma separada.

Como escolher o motor ideal?Diante de tantas classificações e opções de motores, pode surgir uma dúvida: como escolher o ideal? O primeiro passo para fazer a escolha certa você já deu, que é se informar sobre os principais tipos disponíveis no mercado. Os próximos passos nós vamos mostrar agora!

Considere o uso

É importante ter em mente o uso que você pretende fazer do veículo. Quem roda principalmente em perímetros urbanos, pode optar por um modelo menos potente e mais econômico. Por outro lado, quem costuma pegar a estrada em viagens de média ou longa distância, precisa priorizar a segurança oferecida pelos motores mais potentes. Quem vive em cidades com muitas ladeiras também deve priorizar um carro com mais potência.

Defina o orçamento

Geralmente, quanto mais potente um motor, maior o seu custo. Por isso, antes de escolher o modelo ideal para você, é importante definir um orçamento para, então, começar a procurar os modelos que se encaixam na faixa de preço que você estipulou. Analise o custo-benefício, considerando sempre o consumo de combustível do veículo. Carros mais potentes costumam consumir mais e ter a manutenção mais cara.

Não se esqueça da revenda

Também é preciso considerar a revenda. Afinal, é muito provável que você use o veículo que já tem para dar entrada no próximo depois de alguns anos. Os carros mais potentes sofrem uma depreciação maior na comparação com os modelos populares e econômicos (até 1.6). Isso acontece justamente pelo alto custo da manutenção e porque esses modelos são menos comuns. Lembre-se disso na hora da escolha para não ser surpreendido negativamente na hora de trocar o carro de novo.

Quais são os principais cuidados com o motor do carro?Para aumentar as boas chances de revenda e evitar prejuízos financeiros, é fundamental que o motorista tome os cuidados adequados com o motor do carro. Veja quais são os principais!

Mantenha o motor lubrificado

Para que o motor funcione, as suas peças precisam se movimentar, o que causa atrito entre os metais. É por isso que a lubrificação do motor deve estar sempre em dia. Caso contrário, esse atrito pode causar danos e elevar a temperatura, provocando a fundição das peças. A lubrificação é feita com um óleo, que nunca deve chegar ao nível mínimo. Sempre que parar em um posto de gasolina para abastecer, verifique o nível da substância. No manual do carro, você encontra todas as informações sobre o tipo de óleo mais indicado para garantir o melhor desempenho do motor.

Tome cuidado com o combustível

Usar combustíveis adulterados pode trazer grandes prejuízos para o motor. Isso acontece porque eles podem conter solventes que corroem as peças e modificam a composição dos gases. Para evitar esse tipo de problema, abasteça o carro somente em postos confiáveis. Se o seu veículo funcionar com gasolina, prefira a versão aditivada, que ajuda a manter o motor limpo.

Líquido de Arrefecimento

Como já falamos, o radiador faz parte do sistema de arrefecimento, que mantém a temperatura do motor no nível ideal para o seu funcionamento. Para garantir que isso aconteça, não deixe que o nível do líquido de arrefecimento chegue ao nível mínimo. Se o motor ficar sem esse líquido, ele pode fundir rapidamente. Periodicamente, também é fundamental revisar todo o sistema de arrefecimento.

Fique de olho na temperatura

Como você já sabe, temperaturas muito elevadas podem fundir o motor. Por isso, além de garantir o nível do líquido no radiador, é importante prestar atenção à luz indicadora no painel, que acende sempre que o motor estiver superaquecido. Se isso acontece, pare imediatamente. As temperaturas muito baixas também podem ser prejudiciais. Elas dificultam a queima do combustível e aumentam a viscosidade do óleo lubrificante.

Cuide da correia

A correia dentada é a peça que mantém o ritmo de funcionamento do motor e é fundamental para o bom funcionamento do componente. Ela não pode quebrar quando o motor estiver em funcionamento, pois isso é muito arriscado para o equipamento. Para evitar que esse problema aconteça, ela deve ser trocada conforme a indicação do fabricante, encontrada no manual do proprietário.

Troque as marchas no momento certo

Quem dirige carro com câmbio manual deve estar sempre atento à troca de marchas. É isso que mantém o motor dentro da faixa ideal de rotações. Andar com uma marcha alta em velocidade baixa pode sobrecarregar o motor, enquanto o contrário aumenta o consumo e o desgaste das peças. O ideal é que os giros não passem de 3.500 RPM.

Faça as trocas dos filtros quando necessário

Os filtros de ar, óleo e combustível devem ser trocados periodicamente, seguindo, mais uma vez, a indicação do manual do proprietário. Essas peças têm o objetivo de filtrar as impurezas que possam danificar os cilindros, o fluido e o tanque de combustível, respectivamente. Caso essas impurezas cheguem ao motor, podem causar danos ainda maiores.

Não se esqueça das revisões

Mesmo que tudo pareça bem e você venha tomando todos os cuidados citados acima, é indispensável que o carro seja avaliado por um profissional capacitado periodicamente. Por isso, não deixe de fazer as revisões e manutenções preventivas indicadas no manual do proprietário na rede de concessionárias autorizadas e indicadas pelo fabricante. Para que todos os cuidados garantam o bom funcionamento do veículo, eles precisam ser aliados à observação de um mecânico profissional.

Como identificar um problema no motor?Além das revisões periódicas, o carro precisa ser avaliado por um profissional sempre que forem observadas alterações no seu funcionamento normal. Estar atento aos sinais do veículo não deixa de ser um cuidado importante, afinal, é assim que você consegue identificar que algo não está bem. Confira alguns sinais que podem ser indicativos de problemas: dificuldade para ligar; barulhos de peças batendo; falhas de potência (carro "engasgando" ou dando trancos); trepidação no volante; pedal do freio tremendo; barulhos ao girar o volante; carro puxando para um dos lados; odores estranhos na saída do ar-condicionado; acendimento de luzes que não costumam estar acesas no painel.

Quais os principais problemas que um motor pode apresentar?Por fim, para que você possa estar atento aos possíveis problemas que acometem um motor de carro e prestar atenção aos seus sinais, é importante conhecer os principais defeitos que costumam aparecer nesse componente. Para ajudar, listamos os mais comuns: fumaça em excesso: isso geralmente acontece quando o carro está consumindo mais óleo do que deveria. Essas falhas são mais comuns em veículos com maior quilometragem e indicam a necessidade de retificação do motor; não desenvolvimento: pode acontecer de o motor perder potência rapidamente. Se nenhuma luz estiver acesa no painel nesse momento, o problema pode ser no combustível. Caso a situação persista, é necessário procurar um mecânico; tensão na correia dentada: quando a correia está desgastada, ela pode partir. Um sinal de que isso está para acontecer são os assovios altos e finos quando o carro está em movimento; falta de água no radiador: apesar de ser facilmente evitado, esse problema é mais comum do que se imagina. Viu como não é difícil escolher o motor ideal para você e tomar os cuidados necessários para garantir o seu bom funcionamento? Conhecer os principais tipos oferecidos pelo mercado e as suas próprias necessidades é o primeiro passo para fazer uma compra acertada. Depois, é só usufruir de todos os benefícios trazidos pelo seu carro e seguir as dicas que trouxemos neste post. Assim, você evita problemas e prejuízos financeiros, aumenta as chances de fazer uma boa revenda e ainda garante a sua segurança e dos seus familiares. Se você está pensando em trocar de carro, conheça os modelos da Hyundai! Todos os veículos são testados antes de chegarem às lojas e têm garantia de 5 anos!

Sigam as nossas redes:

Veja também